segunda-feira, junho 19, 2006

Mais um (voto) para Joaquim Miranda!

Não podia deixar de me juntar a todos vocês neste momento. Foi também com tristeza que soube da morte do nosso antigo professor. Não preciso repetir-me quanto ao professor. Subscrevo tudo o que já foi dito. A pessoa, parece-me, também é incontestável.
Quero apenas deixar aqui um voto de tristeza pela forma como o PCP sempre tratou Joaquim Miranda depois da ruptura que ele teve com o partido, e quando já estava no Parlamento Europeu. Para um partido que trata os homens como livres, os comunistas nunca quiseram Joaquim Miranda nos núcleos duros da Soeiro Pereira Gomes. A partir do momento em que o nosso professor de Economia Política se juntou à ala renovadora do Partido Comunista muitas foram as vozes que o quiseram calar. A ele e a pessoas como Carlos Brito. Mas Joaquim Miranda nunca se calou. Nunca deixou de dizer o que pensava. Do partido, do País, da Europa e do Mundo! Prestável e excepcional eurodeputado eleito nas listas do PCP, secretários-gerais como Cunhal e Carvalhas sempre ignoram a voz crítica de Joaquim Miranda. Porque sabiam que precisavam dele na Europa. E sabiam que a sua mais-valia sempre foi determinante para que a voz comunista se fizesse ouvir numa Europa que não é a da foice e do martelo. Esse foi o sapo que o Partido Comunista Português sempre teve de engolir. E hoje, o partido, o País e os seus antigos alunos ficam mais pobres (por dentro). O seu desaparecimento entristece-nos. Deve-nos reter apenas o bom que dele recebemos. O homem que foi atacado pela doença deste século — o cancro — merece esta sentida homenagem!
Beijinhos e abraços para todos!

1 comentário:

Paula Miranda disse...

:)

(da filha de Joaquim Miranda)