quarta-feira, março 08, 2006

Como acabará o filme?

O País aguarda serenamente a Colisão mais discutida do ano. É já amanhã que Cavaco assume o lugar em Belém, fazendo-se apostas sobre a rota que vai tomar a sua Presidência. Qualquer que seja o caminho, já se percebeu que Sócrates não altera a sua rota… haja o que houver.
Nas suas diferentes rotas, Cavaco e Sócrates escolheram o mesmo fim-de-semana para dar entrevistas. Sócrates falou ao Expresso para anunciar ao País que «o pior ainda está para vir»; Cavaco decidiu-se pelo ABC para reforçar a ideia e dizer que os políticos portugueses têm agora (três anos e meio sem eleições) condições para tomar «medidas difíceis». Como se vê pelo discurso de ambos, as rotas parecem muito semelhantes. Mas também não é preciso saber muito de geometria para se saber que já Euclides dizia que «por dois pontos diferentes só passa uma linha recta». A linha recta de Sócrates e a linha recta de Cavaco são seguramente diferentes. Mas há de haver algum momento em que se cruzem. E é isso que nos leva a «Colisão», o extraordinário filme que ganhou o Óscar para surpresa de quase todos. Talvez esteja influenciado pelo argumento, mas aposto que não teremos grandes choques entre os nossos dois protagonistas. Vamos, isso sim, ver pequenos «choques», ligeiros atritos, pequenas divergências, alguma tensão que nos levará ou não a uma colisão lá mais para o fim do filme.

2 comentários:

Joao Damasceno disse...

Tens razão Ana. O caminho por estes traçado é, ao fim ao cabo, o mesmo. Também não nos podemos esqueçer que Socrates vem da direita, ele foi militante da jsd. Por isso não se deve esperar grandes atritos lá pelos lados de Belém, muito menos, pelos lados de São bento.
Uma coisa é certa! As manhãs de quintas feiras, a partir desta semana, vão ser um correr de assessores de um lado para outro, para tentar afuguentar, os curiosos dos jornalistas, há procura de um "atritezinho" para assim vender jornais.
Esperemos para ver...

Ana Clara disse...

O problema é que os jornalistas vão começar a ter uma postura diferente com o novo Presidente, João. Apesar de ser uma «cavaquista» - não o escondo -reconheço que Cavaco nunca gostou de jornalistas e sempre manteve com eles uma relação distante.E será essa a sua postura. Desenganem-se os que pensam o contrário. As portas de Belém vão fechar-se mais com a saída de Sampaio e com a entrada de Cavaco. Ainda assim, pelo respeito das opiniões que discordam desta eleição, há um facto indesmentível: Cavaco tem postura de estadista e Presidente. Esperemos todos que cumpra um mandato estável a bem de Portugal.
P.S. - Lamentável a postura do Bloco de Esquerda e do PCP na tomada de posse de Cavaco. Ficarammal na fotografia mostrando um expresso sentido anti-democrático. É pena ainda acreditarem no totalitarismo!