quarta-feira, novembro 23, 2005

O erro de Mendes e o silêncio do Borges

Como muita gente notou (e bem), Marques Mendes cometeu um erro absurdo ao votar contra o Orçamento de Estado para 2006. Com as declarações de Manuela Ferreira Leite à Rádio Renascença, começou a pagar a factura. Quando a ex-ministra diz que o PSD cometeu um erro, quer dizer que Marques Mendes tem que ter mais cuidado.
A liderança de Marques Mendes correu muito bem até agora. A sua posição na preparação das autárquicas (sobretudo no casos Isaltino e Valentim) deram-lhe o respeito de muita gente. A vitória na noite das eleições foi, assim, naturalmente saborosa e promissora para uma liderança que está sempre ameaçada pelo grupo de António Borges & Manuela Ferreira Leite. Mas a semana passada tudo mudou. Marques Mendes costuma ter bom senso e costuma ser um excelente parlamentar. Ora, no debate do Orçamento, Mendes esteve fraco e perdeu o bom senso. Facilitou a vida a Sócrates e agora começa a pagar a factura dentro do partido. O melhor é esperar pelo passar do tempo, porque o líder do PSD nunca conseguirá explicar com convicção ao seu partido e ao País porque é que votou contra o Orçamento. E isso é complicado para quem quer ser primeiro-ministro.

P.S. - Numa conferência organizada pelo deputado do CDS, Pires de Lima, nas suas «Noites à Direita» na Sociedade de Geografia de Lisboa - e na qual eu tive a oportunidade de estar - o dirigente centrista convidou dois economistas de peso que o País pára para ouvir: António Borges e Daniel Bessa. No final, quando abordei o social-democrata para falar sobre economia, Borges mostrou simpatia mas recusou falar para a imprensa pós-conferência. «Como sabe falo apenas em momentos muito especiais», argumentou. Como jornalista, respeito o silêncio. Porém, era bom que António Borges começasse a ter a noção que não basta falar a partir de Londres apenas de vez em quando. Muitos são os que o apontam como um possível candidato à Presidência do PSD. Ninguém contesta o valor de António Borges como economista. Mas, se tem a ambição política de chegar a algum lado tem de começar a falar. Quanto mais não seja para os portugueses perceberem o que pensa sobre os principais problemas do País e das medidas que José Sócrates está a tomar.

P.S.1- Desculpem a seca política mas já que ninguém alimenta o blogue...
Beijinhos.

Sem comentários: